Segesta Editora

Artigos

Folha de São Paulo | Quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

ANTONIO DELFIM NETTO

Sismondi!

A Segesta Editora (www.segestaeditora.com.br) de Curitiba, acaba de publicar o nono volume de sua imperdível coleção "Raízes do Pensamento Econômico". Trata-se de empreitada de maior alcance para a ampliação da nossa cultura econômica. As traduções são esmeradas, e a escolha dos textos, cuidadosa.

O nono volume da coleção é a obra clássica de Jean-Charles Léonard Sismonde de Sismondi, "Novos Princípios da Economia Política", cuja primeira edição é de 1819. A segunda é de 1827.

Não poderia haver melhor oportunidade para servir Sismondi aos nossos jovens economistas do que o momento atual, quando o fracasso da administração econõmica dos países transformou o Estado que prejudicava os "mercados" em "seu salvador de última instância"! Para Sismondi, o Estado não é um corpo estranho na atividade econômica, mas parte integrante e decisiva para a sua boa realização. O papel do Estado no desenvolvimento econômico que olha para os menos favorecidos pela sorte é o fio condutor do seu pensamento.

Para ter uma idéia da importância de Sismondi, bastam duas indicações: 1ª) O mais distinto dos marxólogos, Maximilien Rubel, afirmou que, para Marx, Sismondi foi tão importante quanto Heagel; 2ª) a grande Joan Robinson disse que na "Teoria Geral", Keynes deveria ter dado crédito a Sismondi, e não a Malthus, porque aquele é o seu verdadeiro precursor.

Aos 30 anos, Sismondi publicou o livro "De La Richesse Commerciale, ou Principes d'Economie Politique", uma habilíssima exposição das doutrinas de Adam Smith. O livro consagrou-o como economista, a ponto de ser convidado para a cátedra de economia política da Universidade de Wilna.

Sismondi era um observador pragmático. Na sua visita à Inglaterra em 1819, ele testemunhou um quadro pavoroso. Uma crise financeira e industrial se abatia sobre o país, derrubando os salários abaixo do nível de subsistência, o que não encontrava explicação em Adam Smith. Isso levou Sismondi à reflexão que constitui os "Novos Princípios de Economia Política", que a Segesta põe agora à disposição de nossos economistas em excelente edição.

Sismondi recusou a Lei de Say, de que a "oferta cria sua própria procura"; desenvolveu uma noção clara do circuito econômico; antecipou o problema da demanda efetiva; introduziu um modelo dinâmico com variáveis datadas etc. Ele anteviu o Estado do bem-estar e as modernas preocupações com a justiça social. No fim, o "socialista pequeno-burguês" (como a ele se referia Marx) foi mais conforme com o futuro do que o "socialismo científico". Que ninguém perca esse banquete!

contatodelfimnetto@uol.com.br

volta topo

Conheça também a
seção
Artes, Ciências
e Literatura.

Segesta Editora Ltda.
Rua Desembargador Westphalen, 15 . Conj. 1.705
Curitiba - PR . CEP 80010-903 . Tel/Fax. (41) 3233 8783

© 2000-2015 Segesta Editora Ltda. - Todos os direitos reservados.